Arquivo da categoria: Educação

Luiz Lacerda participa de formatura de 300 líderes da Junior Achievement RN

O vice-presidente da Fecomércio RN, Luiz Lacerda, coordenou na noite desta quinta-feira, 20, a solenidade de formatura da 19ª Turma do Programa Miniempresa e da 4ª Turma do Programa Liderança Comunitária da Junior Achievement RN, que aconteceu no auditório do Campus Central do IFRN, em Natal. Lacerda é presidente do Conselho Diretor da entidade no Estado. O empresário e presidente da Associação dos Empresários do Bairro do Alecrim, Pedro Campos de Azevedo, foi o Paraninfo da turma e recebeu uma placa de homenagem pelo apoio prestado.

A Junior Achievement é uma das maiores e mais antigas organizações de educação prática em negócios, economia e empreendedorismo do mundo, que tem sede nos Estados Unidos, está presente em 120 países, e possui unidades em todo o Brasil. É uma associação educativa sem fins lucrativos, mantida pela iniciativa privada, que visa despertar o espírito empreendedor em jovens, ainda na escola, estimulando o seu desenvolvimento pessoal, proporcionando visão clara do mundo dos negócios e criando pontes entre os jovens e o mercado de trabalho.

Foram 300 formandos de 11 instituições de ensino, que atuaram sob a supervisão de 54 executivos voluntários e 10 advisers juniores. Os alunos criaram 17 miniempresas, desde a parte burocrática até o desenvolvimento e comercialização dos produtos, como álcool gel perfumado, fertilizantes, luminárias sustentáveis, bolsas, protetores e hidratantes labiais, entre outros.

“A vida empresarial não é fácil, e vocês puderam ter uma noção disso durante o curso. Mas é uma atividade muito gratificante, ainda mais quando a gente tem uma empresa, e que vê a empresa contribuir com a geração de emprego, com o desenvolvimento econômico e social do nosso estado”, afirmou o vice-presidente da Fecomércio RN e presidente do Conselho Diretor da Junior Achievement RN, Luiz Lacerda.

Ainda durante o evento, os alunos e as miniempresas que mais se destacaram receberam as medalhas “Achiever Destaque”, “Miniempresa Destaque” e “Produto Destaque”, nas categorias ensino médio e ensino superior.

“Para criar uma empresa é necessário planejamento, criar regras claras, ainda mais quando há sociedade. Para que uma empresa possa sobreviver às dificuldades, é preciso agir de forma profissional e coerente. Só assim para garantir sua longevidade”, alertou o paraninfo Pedro Campos.Também estavam presentes na cerimônia o diretor geral do Campus Central Natal do IFRN, José Arnóbio de Araújo Silva; o professor Ótom Anselmo de Oliveira, representando a UFRN; o diretor Executivo da CDL Natal, Joham Alves Xavier; a diretora do Núcleo de Ex-achievers, Ana Ruth da Silva Duarte; a representante do Natal Shopping, Kaline Cysleiros, além dos familiares e amigos dos formando

Cartilha Caminho Suave: o livro que já alfabetizou mais de 40 milhões de brasileiros

Ricamente ilustradas, obras da educadora Branca Alves de Lima, resgatam qualidade de ensino e método educacional de 1948 e continuam a ser usados pelos educadores de hoje

Com o compromisso de apoiar e auxiliar no processo de alfabetização, que as edições Caminho Suave, hoje parte do grupo da editora Edipro, mantém em seu catálogo as publicações atualizadas desta coleção que já alfabetizou mais de 40 milhões de brasileiros. A parceria é um acordo em prol da educação no país para manter vivo todo o projeto da educadora (in memorian) Branca Alves de Lima.

Lançada em 1948, com o intuito de suavizar e facilitar o aprendizado de crianças e adultos no mundo das letras, como seu nome sugere, a coleção foi um grande sucesso por tratar da alfabetização de maneira simples e inteligente. Um dos livros, a famosa e tradicional Cartilha Caminho Suave, já está na 132ª edição.

O sucesso do método fácil, verdadeiramente testado e aprovado, fez com que esta cartilha obtivesse a classificação de multifuncional: serve para alfabetizar crianças, jovens e idosos; é muito usada entre estrangeiros, especialmente, pelos japoneses; serve como método de reforço de alfabetização; e é usado amplamente em programas de alfabetização solidária.

Além da multifuncionalidade, há ainda a lembrança afetiva que a coleção traz aos que por ela foram educados. Assim, a cartilha pode ser, inclusive, dada como um presente aos que já saíram da escola, mas também às crianças como conteúdo complementar, para pintar e aprender brincando.

Indicado como material didático, da Educação Infantil ao Ensino Fundamental, e também como livros de apoio ao ensino de português, a coleção traz um conteúdo ricamente ilustrado e é indicado para todos aqueles que precisam desenvolver ou aprimorar a coordenação visomotora e as demais habilidades essenciais na arte da escrita.

Didaticamente estruturado, os livros que vão até a 4ª série (do antigo 1º grau) oferecem o treino da escrita de todas as letras do alfabeto – apresentadas nas versões de fôrma e cursiva –, das palavras e dos números. A coleção, que apresenta consagrado método de ensino, ainda hoje é adotada por professores das redes pública e privada, na alfabetização de idosos, educação solidárias, além dos projetos sociais religiosos ou seculares.

As edições Caminho Suave são usadas tanto no método principal como no material de apoio a outras estratégias educacionais. Mais do que ajudar o estudante a conquistar uma letra legível e ganhar rapidez ao escrever e raciocinar, estes livros contribuem ao aprendizado e evolução da linguagem escrita da atual sociedade.

Alunos da Escola Celestino Pimentel têm palestra para combater o bullying

A Frente Parlamentar de Defesa da Criança e do Adolescente da Câmara Municipal de Natal realizou mais uma edição da Escola na Frente nesta quinta-feira (6). Dessa vez o projeto levou uma palestra de combate ao bullying para estudantes do 6º ao 9º ano da Escola Celestino Pimentel, em Cidade da Esperança, em Natal (RN).
Um dos grandes problemas das escolas é o bullying praticado entre os próprios alunos seja no ambiente escolar, em casa ou com os amigos. Na Celestino Pimentel, inclusive, vítimas desse tipo de violência se viram obrigados a trocar de local de ensino como forma de fugir dos agressores. A diretora Marta Martins parabenizou a Câmara pela iniciativa e acredita que o projeto Escola na Frente trará resultados positivos.
“Esse assunto tem uma importância muito grande. Tivemos alunos que saíram da escola por sofrer bullying. É uma temática atual que precisa ser discutida em casa, na escola e no seu bairro. Precisa discutida, principalmente, entre os adolescentes. A Câmara a gente ainda vê distante. E, de repente, vir para a escola mostra que a Câmara quer dizer: ‘olha, estamos aqui e também queremos ajudar’ e isso é muito importante”, destacou.
A aluna Osilandia Queiroz, de 15 anos, disse que vê diariamente cenas de bullying sendo praticadas na escola ou no bairro onde mora. Ela acredita que a iniciativa da Câmara deva ajudar a combater a prática entre os demais colegas de escola.
“É importante estarmos discutindo o bullying, porque a gente fica mais por dentro do assunto e conhece mais o que é bullying. Acontece muito aqui. Não só na escola, mas em qualquer lugar. Seja porque é alta ou baixa, magra ou gorda, não importa. Sempre acontece. Bullying é algo que machuca muito. Essa discussão ajuda a evitar a acontecer isso”, disse.
A vereadora Júlia Arruda (PSB), coordenadora da Parlamentar de Defesa da Criança e do Adolescente, destacou a importância do tema trazido exatamente para uma escola que em que a prática violenta já foi motivo de troca de escola.
“Essa é a segunda edição desse ano e traz para a escola uma discussão importante que foi proposta pelo próprio corpo pedagógico. Aqui tivemos casos de alunos que saíram daqui por conta do bullying, porque era importunados sistematicamente. Essa é uma temática que é vivida no dia a dia dos alunos. Precisamos lembrar que é preciso respeitar as diferenças para para viver em democracia e para vivermos bem”, justificou.
A psicóloga Sâmia Jorge contou que o bullying na escola se caracteriza por atitudes agressivas e intencionais. Ela explicou que quem pratica essas violências tem a intenção real de prejudicar o seu colega ou alguém do seu convívio e que as escolas devem discutir o tema.
“Bullying são violências morais, verbais, patrimoniais sexuais ou seja de várias formas. Tudo aquilo que incomoda. A escola precisa oportunizar momentos de diálogos, em que a gente possa conversar abertamente sem censuras e sem barreiras para que os alunos se sintam a vontade para se manifestar, tirar suas dúvidas e entender a importância de combater o bullying. Outra medida é incluir esse tema nas suas disciplinas”, observou

Nenhum estado atinge a meta do Ideb 2017 no ensino médio. Índice avançou apenas 0,1%

No ensino médio, nenhum estado atingiu a meta do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) 2017. Além disso, cinco estados brasileiros apresentaram redução no valor do índice. Os dados do Ideb foram apresentados nesta segunda-feira, 3, pelo Ministério da Educação (MEC) e o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), durante coletiva de imprensa na sede do MEC.

“Temos um quadro de crescimento nos anos iniciais, especialmente das redes municipais. Tivemos avanços do sexto ao nono ano, mas ainda insuficientes, e uma estagnação do ensino médio, que cada vez mais se distancia da meta. Há uma necessidade muito grande de fazermos logo mudanças estruturantes”, disse o ministro da Educação, Rossieli Soares, destacando a Reforma do Ensino Médio, aprovada no ano passado. “É necessário avançar nessa reforma para trazer este novo ensino médio para o Brasil”, acrescentou.

A presidente do Inep, Maria Inês Fini, destacou a parceria do Instituto com o MEC. “O Inep cria as evidências e o Ministério da Educação estabelece as políticas a partir delas. Esta parceria de interpretação de resultados com a secretaria de educação básica é um fato muito positivo e que acentua o papel do Inep no cenário da educação brasileira”.

Após três edições consecutivas sem alteração, o Ideb do ensino médio avançou apenas 0,1 ponto em 2017. Apesar do crescimento observado, o país está distante da meta projetada. De 3,7 em 2015, atingiu 3,8 em 2017. A meta estabelecida para 2017 é de 4,7. “Foi um crescimento inexpressivo. Estamos muito distantes das metas propostas. É mais uma notícia trágica para o ensino médio do Brasil”, destacou o ministro da Educação, Rossieli Soares.

Até 2015, os resultados do ensino médio, diferentemente do ensino fundamental, eram obtidos a partir de uma amostra de escolas. A partir da edição de 2017, o Saeb passou a ser aplicado a todas as escolas públicas e, por adesão, às escolas privadas. Pela primeira vez o Inep passou a calcular Ideb para as escolas de ensino médio. Apesar do crescimento observado, o país está distante da meta projetada. Neste cenário, cinco estados tiveram redução no valor do Ideb. O registro positivo vai para o Espírito Santo, estado com o melhor desempenho no país.

Anos iniciais – O país segue melhorando seu desempenho nos anos iniciais do ensino fundamental, alcançando, em 2017, um índice igual a 5,8. A meta proposta foi superada em 0,3 ponto. Apenas os estados do Amapá, Rio de Janeiro e o Rio Grande do Sul não alcançaram suas metas. O Ceará se destacou, superando a meta proposta para 2017, em 1,4 ponto. Oito estados alcançaram um Ideb maior ou igual a 6,0: Minas Gerais, São Paulo, Espírito Santo, Ceará, Paraná, Santa Catarina, Goiás e Distrito Federal. Os estados do Ceará, Alagoas e Piauí apresentaram os maiores crescimentos no período. Ainda é possível observar que os estados de São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Minas Gerais detêm os maiores Idebs do país nos anos iniciais do ensino fundamental.

Apenas os estados do Rio de Janeiro, Amapá e Rio Grande do Sul não alcançaram a meta proposta nesta edição, mas também é possível observar que o Rio de Janeiro e o Rio Grande do Sul têm desempenho no Ideb superior à média nacional. Mato Grosso, Minas Gerais, São Paulo e Ceará têm as maiores taxas de aprovação. No outro extremo estão Pará, Sergipe e Bahia.

Anos finais – Os resultados do Ideb mostram que, apesar de o país ter melhorado seu desempenho nos anos finais do ensino fundamental, alcançando, em 2017, um índice igual a 4,7, a meta proposta não foi atingida. Das 27 unidades da Federação, 23 aumentaram o Ideb, todavia apenas sete alcançaram a meta proposta para 2017: Rondônia, Amazonas, Ceará, Pernambuco, Alagoas, Mato Grosso e Goiás. O registro negativo foi a queda do Ideb nos anos finais do ensino fundamental no estado de Minas Gerais.

Os progressos mais expressivos foram alcançados por Amazonas, Ceará e Mato Grosso. No outro extremo, com pouca evolução no Ideb, Amapá, Roraima e Rio Grande do Sul. Cabe também destaque para os estados de Goiás, Santa Catarina, São Paulo e Ceará com os melhores desempenhos nos anos finais do ensino fundamental.

Melhorar o fluxo escolar continua sendo um grande desafio para o Brasil. Comparando as taxas de distorção idade-série para os anos finais do ensino fundamental em 2015 e 2017, Mato Grosso e São Paulo têm um histórico de baixa retenção e, por isso, o indicador é próximo de 10%. No outro extremo, entretanto, há estados com taxas de distorção idade-série superiores a 40%.

Ideb – O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, Ideb, é uma iniciativa do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) para mensurar o desempenho do sistema educacional brasileiro a partir da combinação entre a proficiência obtida pelos estudantes em avaliações externas de larga escala (Saeb) e a taxa de aprovação, indicador que tem influência na eficiência do fluxo escolar. Ou seja, na progressão dos estudantes entre etapas/anos na educação básica. Essas duas dimensões, que refletem problemas estruturais da educação básica brasileira, precisam ser aprimoradas para que o país alcance níveis educacionais compatíveis com seu potencial de desenvolvimento e para garantia do direito educacional expresso em nossa constituição federal.

Também estiveram presentes na coletiva a secretária de Educação Básica do MEC, Kátia Smole, a diretora de Avaliação da Educação Básica do Inep, Luana Bergmann, o diretor de Estatísticas Educacionais do Inep, Carlos Eduardo Moreno, o presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), Marcelo Costa, e a presidente do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), Cecília Mota.

Senac é a primeira Microsoft School do RN

O Senac RN é a primeira escola do Rio Grande do Norte a receber o título de Microsoft School (Escola Microsoft). Trata-se de um reconhecimento internacional concedido às instituições que focam na liderança e no aprendizado colaborativo, trabalhando em como transformar a educação e integrar a tecnologia em suas salas de aula. No Brasil, apenas 29 entidades possuem essa certificação.

O diretor regional do Senac RN, Raniery Pimenta, explica que isso ocorre com a criação de novos ambientes de aprendizagem e utilização de ferramentas e recursos tecnológicos com objetivo de melhorar o ensino e a aprendizagem em sala de aula.

“O Senac vem transformando seus ambientes pedagógicos, a fim de utilizar a tecnologia como facilitador da aprendizagem, aproveitando as ferramentas do Office 365 para melhor preparar os estudantes a obterem sucesso no mercado trabalho. Isso ocorre a partir de experiências que possibilitam o desenvolvimento de habilidades, como colaboração, pensamento crítico e resolução de problemas”, afirmou.

A partir do título, a Instituição passa a ter acesso à diversas ferramentas e recursos de apoio ao desenvolvimento de iniciativas em sala de aula. Uma delas é uma Comunidade Global de Educadores Inovadores da Microsoft, juntando-se a mais de 2 mil escolas de todo o mundo. Acesso antecipado às atualizações sobre os produtos, ofertas e oportunidades Microsoft e participação em Conferências Globais são outros diferenciais.

Além disso, um outro ponto importante é a possibilidade de participação de todos os colaboradores do Senac RN no programa de certificação Educadores Inovadores Microsoft (MIE), que reconhece e apoia educadores inovadores em sala de aula. Atualmente, a entidade conta com 35 colaboradores participando de forma ativa desta iniciativa

Inep aplica provas do Encceja neste domingo, dia 5 de agosto

Chegou a hora para jovens e adultos que não concluíram os ensinos fundamental ou médio na idade adequada colocarem em prática seus conhecimentos e buscarem a tão sonhada certificação de conclusão. O teste final será no próximo domingo, 5, quando ocorre a aplicação do Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja Nacional 2018), em 592 municípios de todo o Brasil. As provas serão realizadas nos turnos matutino e vespertino.

Este ano, mais pessoas farão o Encceja Nacional. Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), autarquia federal vinculada ao Ministério da Educação que é responsável pela aplicação do exame, mais de um milhão de pessoas deve se submeter às provas. As inscrições para esta edição bateram recorde e alcançaram 1.695.607 inscritos. Desse total, 356.326 desejam obter o certificado de conclusão do ensino fundamental e 1.339.281, do ensino médio.

É importante conferir os locais de prova na página do participante, e se o documento com foto usado na inscrição está válido e em bom estado. Além disso, é preciso verificar os documentos permitidos pela organização do Encceja 2018 para garantir presença em sala de aula, de preferência os utilizados no ato da inscrição. Entre os aceitos, estão passaporte do Mercosul, cédula de identidade (RG) e Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

O Encceja Nacional é direcionado aos jovens e adultos que não tiveram a oportunidade de concluir seus estudos em idade própria e que atendam ao artigo 38, parágrafos 1º e 2º, da Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996: tenham, no mínimo, 15 anos completos na data de realização do exame, para quem busca a certificação do ensino fundamental; ou, no mínimo, 18 anos completos na data de realização do exame, para quem busca a certificação do ensino médio.

A edição 2018 abrange 28 municípios a mais que em 2017, cuja edição marcou o retorno da certificação do ensino médio para o exame e teve 1.575.561 inscritos, o equivalente a 7,08% a menos que em 2018. O exame foi realizado pela primeira vez em 2002 para aferir competências, habilidades e saberes de jovens e adultos que não concluíram o ensino fundamental ou ensino médio na idade adequada. Antes, a certificação para alunos da educação de jovens e adultos (EJA) era feita por meio de provas realizadas pelas secretarias municipais ou estaduais de educação, outra opção para obtenção do certificado.

Certificado – Embora seja organizado e aplicado pelo Inep, a emissão do certificado e declaração de proficiência no exame aos jovens e adultos é de responsabilidade das secretarias estaduais de educação e dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, que firmam termo de adesão para participarem do exame.

Inscrições para o Fies já estão abertas, até domingo, dia 22

Os alunos interessados em participar do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) no segundo semestre de 2018 já podem concorrer a uma vaga. Desde a zero hora desta segunda-feira, 16, o sistema de inscrições do programa está liberado. Estão sendo ofertadas 155 mil vagas, sendo 50 mil com juro zero. O prazo para inscrição acaba no domingo, 22.

Para se inscrever é preciso acessar a página do Fies Seleção na internet. O Novo Fies é um modelo de financiamento estudantil que divide o programa em diferentes modalidades, oferecendo condições a quem mais precisa e uma escala de financiamentos que varia conforme a renda familiar do candidato. Pode concorrer quem tenha feito uma das edições do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) a partir de 2010, com média igual ou superior a 450 pontos e nota acima de zero na redação.

A modalidade juro zero é destinada aos candidatos com renda mensal familiar per capita de até três salários mínimos. Nesse caso, o financiamento mínimo é de 50% do curso, enquanto o limite máximo semestral é de R$ 42 mil. As outras duas modalidades, chamadas de P-Fies, destinam-se a estudantes com renda familiar de até cinco salários mínimos. Para atender a essa parcela de candidatos, o P-Fies opera com recursos dos Fundos Constitucionais e dos Agentes Operadores de Crédito.

Poderão ser financiados os cursos de graduação com conceito maior ou igual a três no Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes) ofertados pelas instituições de ensino superior participantes do Fies. Também poderão participar do programa os cursos que, ainda não avaliados pelo Sinaes, estejam autorizados para funcionamento pelo cadastro do Ministério da Educação. Durante o curso, o estudante deve ter aproveitamento acadêmico para permanecer com o financiamento.

O resultado da seleção será publicado em 27 de julho, em chamada única. Os candidatos pré-selecionados na modalidade que exige comprovação de renda per capita mensal familiar de até três salários mínimos deverão complementar as informações da inscrição no período de 27 a 31 de julho e, posteriormente, efetivar a contratação do financiamento.