Arquivo da categoria: Cultura do RN

Projeto Casa das Palavras chega a São Miguel do Gostoso

São Miguel do Gostoso será a 3ª das doze cidades que receberão as oficinas, apresentações culturais, a minibiblioteca e os encontros com escritores, poetas e vários outros artistas. O Projeto Casa das Palavras chega ao município nos dias 5 e 6 de dezembro (terça e quarta-feira) e cercará a cidade de ondas culturais e educativas. As ações são gratuitas e acontecerão na escola municipal Ana Ribeiro e na escola Estadual Olímpia Teixeira.

Na ocasião, serão oferecidas oficinas  de contação de estórias,  dança de rua e  mamulengo, e a instalação da minibiblioteca na praia de Xepa, onde na quarta-feira, 06, acontecerá o encerramento do evento com uma grande noite cultural. As inscrições estão abertas e podem ser feitas na Secretaria Municipal de Educação.

Um dos objetivos das oficinas da Casa das Palavras é promover o intercâmbio cultural entre os artistas e educadores, atuando no aperfeiçoamento dos participantes.  O projeto  também prevê a instalação de minibibliotecas em cada um dos municípios que recebem as atividades. Elas são colocadas em lugares públicos para estimular a leitura por meio da doação e troca de livros.

Sobre o Projeto:

A “Casa das Palavras – Luz, cultura e movimento” dissemina e fortalece a cultura do Rio Grande do Norte a partir de três linhas de ação: instalação de minibibliotecas (em forma de casinhas de madeira) para compartilhamento de livros; realização de oficinas de formação em áreas como contação de estórias, teatro, coral, escrita literária, mamulengo, xilogravura, artesanato,  fotografia e vídeo; e realização de palestras, recitais poéticos e espetáculos culturais em espaços públicos.

Com a confirmação do patrocínio do Governo do RN – Lei Câmara Cascudo, e  das empresas Cosern, NET e Claro, foi definido o roteiro por onde vai passar o projeto Casa das Palavras no Rio Grande do Norte. O projeto,  que tinha previsão inicial de chegar a dez municípios nessa próximatemporada, incorporou mais outras duas cidades – totalizando doze municípios beneficiados: Macau e Apodi (novembro/2017); São Miguel do Gostoso  e Angicos (dezembro/2017); Nova Cruz, Brejinho e Santo Antônio do Salto da Onça (janeiro/2018);  Caicó (março/2018); Natal (abril/2018); São Tomé e Lagoa Nova (maio/2018); e Santana do Matos (junho/2018).

Minibibliotecas – Onde os livros ganham asas

As pequenas bibliotecas para compartilhamento de livros são construídas no formato de casinhas coloridas de madeira instaladas em pontos de maior circulação de pessoas nas cidades. Já existem minibibliotecas instaladas em praças, canteiros, em frente a escolas, próximas às paradas de ônibus e às instituições culturais.

Cada minibiblioteca contará com um acervo inicial mínimo de 50 livros. Todos esses livros serão novos e adquiridos pelos autores ou editoras instaladas no Rio Grande do Norte. O projeto estimula também a participação direta das pessoas através da idéia “Pegue um livro e  deixe um livro”.

Até julho de 2018 o Rio Grande do Norte contará com cerca de 60 minibibliotecas instaladas em diferentes municípios do estado. A Casa das Palavras tem o patrocínio das empresas Cosern, NET, Claro e Governo do RN, através da Lei Câmara Cascudo de Incentivo à Cultura.

Espetáculo “Meu Seridó” estreia dia 30 e vai percorrer diversos bairros de Natal

Sonhado pela atriz Titina Medeiros, com direção de César Ferrario, texto de Filipe Miguez e grande elenco, “Meu Seridó” estreia no dia 30 de novembro no Tecesol, em Neópolis, e depois percorre diversos bairros de Natal com entrada gratuita.

 O sertão que vibra, pulsa e faz viver. O sertão das mulheres esquecidas e das mulheres que sonham. O não lugar, como escreveu Guimarães Rosa, o sertão que é seca e água, e é também o espaço da imensidão. Com fortes questões norteadoras, o espetáculo “Meu Seridó” traz a condição da mulher no sertão, a extinção do indígena em detrimento do boi e a desertificação, na luta diária pela sobrevivência como força bruta do ser.  Sonhado pela atriz Titina Medeiros, a peça tem direção de César Ferrario e texto de Filipe Miguez (autor da novela Cheias de Charme). Como o próprio autor escreveu: “A nossa história acontece em algum lugar entre a realidade, o delírio e a nostalgia”.

Acompanhada pelos atores Nara Kelly, Igor Fortunato, Caio Padilha – assinando também a trilha sonora – e Marcílio Amorim, Titina fez ao lado da equipe uma árdua pesquisa histórica,  conduzidos pela historiadora Leusa Araújo, através de imersões no próprio Seridó. Natural de Acari, Titina sonhou com esse espetáculo por anos, reunindo as suas vivências e coragem para retirar do próprio solo a história de vida de muitos sertanejos.

Para o diretor César Ferrario, a narrativa é constituída por uma linguagem de cunho popular para chegar em todas as pessoas e lugares, e tem uma estrutura que permite a montagem em ruas, fazendas, praças e diferentes paragens. “A nossa narrativa não tem um compromisso histórico. Ela tem seu início através de uma menção ao plano mítico do Seridó, onde o Sol e a Terra disputam o amor de Chuva, uma fábula muito coerente com as questões que atravessam toda a história de qualquer lugar sertanejo e seu imaginário. A partir disso, ela transita pela história do Seridó em seus espelhamentos terrenos, desde a chegada do homem andino até a vinda do vaqueiro e do português. O entrelaçamento dessas raças perpassa as história que vão sendo contadas ao longo do espetáculo”, conta César.

Personagens como José de Azevedo Dantas, Pajé Cuó, o português Rodrigo de Medeiros, a Maria Paraibana e Josefa Menina são as personificações da história que transpassa o imaginário da região.

A força do texto está nos personagens, como a fala de Maria Paraibana que diz: “Tu vai crescer neste meio, no seio de nossa família. Neste arquipélago seco, cada sítio é uma ilha. Neste clima inóspito e esdrúxulo, teremos de nos bastar/Numa casa de taipa sem luxo, nem acesso ao copiar. Tu vai viver só restrita à sala das mulheres/E passar o dia e a vida tomada por mil afazeres/Rendas, bordados, costuras serão tua eterna lida”.

São essas questões, forças e vidas que estão bordadas num figurino, cenografia e caracterização assinados por João Marcelino, parceiro de longa data de Titina com quem trabalhou no grupo “Tambor” ainda na década de 90.  A iluminação é feita por Ronaldo Costa.

Na tentativa de estabelecer um diálogo com a sociedade sobre desenvolvimento sustentável e preservação do meio ambiente, “Meu Seridó” ainda conta com a parceria da ONG Sou do Amor, por meio do projeto “Sementes do Amor”. Em cada apresentação, sementes nativas serão distribuídas para o plantio, estimulando a arborização dos espaços públicos.

Foto: Brunno Martins.

Neópolis ganha espaça cultura com nome do professor Geraldo Evangelista

A partir desta sexta-feira, 24 de novembro, a praça Central do Conjunto Residencial Neópolis, em Natal (RN), ganhará um espaço cultural com nome do professor da UFRN Geraldo Evangelista (Geraldão) in memoriam. O ato inaugural terá início às 16h.

O espaço foi criado para fomentar a cultura do bairro, em que Geraldo Lucas, morou por grande parte da sua existência, que se encontra localizado à praça Centro do conjunto residencial Neópolis.

De acordo com informação da professora Socorro Evangelista, os convidados serão recepcionados pelo conjunto instrumental Sal da Terra, logo as 16hs.

Depois, o grupo de escoteiros da UFRN, que foi criado por Geraldo Lucas e o padre João Penha Filho, fará saudação ao público presente.

Escola de Música recebe recital de piano de Isadora Rezende

Com apenas 11 anos de idade e um sonho de se tornar uma grande pianista, a potiguar Isadora Ferreira Aguiar de Rezende vai celebrar seus cinco anos de estudos pianísticos com um recital, que será realizado no próximo dia 30 de agosto, a partir das 19h, na Escola de Música da UFRN, com entrada gratuita.

Izadora Rezende começou a estudar piano aos seis anos de idade por influência da mãe Fernanda, pianista/produtora cultural, além de tutora musical da jovem pianista. O primeiro contato de Isadora com a música foi através do Curso de iniciação Artística na Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Aos seis anos passou a estudar piano com a Profª Regiane Yamaguchi. Fez seu primeiro recital solo aos sete anos. Em 2015 foi convidada pelo Prof. Miguel Proença a apresentar-se no Espaço BNDES, no Rio de Janeiro, no concerto Jovens Talentos. No ano passado, a pequena pianista alcançou a primeira colocação em sua categoria no Concurso Nacional de Piano Steinway-Caio Pagano, realizado pela USP, em Ribeirão Preto/SP.

Tendo cinco anos dedicados as aulas de piano, Isadora Resende já passou por vários professores renomados. Participou de aulas com os professores Miguel Proença, Lúcia Barrenechea, Michael Uhde, David Korevaar, Mauricy Martin, Markus Stange, Ney Fialkow, Guigla Katsarava, Eduardo Monteiro, entre outros. Foi aluna de Percepção e solfejo do maestro André Muniz, da profª Maria Clara Gonzaga, frequentando atualmente as aulas do Prof. Danilo Guanais. Atualmente é aluna da classe de piano do prof. Guilherme Rodrigues, na UFRN.

Além de receber o incentivo da mãe Fernanda e do pai Daniel Resende, a jovem pianista nutre um enorme carinho pelo instrumento. “Gosto do piano porque é um instrumento muito delicado”, afirma Isadora, que também revela: “Vi minha mãe tocando e me apaixonei. Meu sonho é ser pianista e tocar no Conservatório de Paris”.

Cosern anuncia lista de projetos culturais selecionados para o clico de patrocínios

A Cosern anunciou nesta 3ª feira (01) a lista dos projetos culturais selecionados pela Política de Patrocínios e Doações do Grupo, incentivados por meio da Lei de Incentivo à Cultura Câmara Cascudo, do Governo do Estado do Rio Grande do Norte. O apoio à cultura potiguar dado pela Cosern há quase 20 anos faz parte da Política de Patrocínios e Doações da Neoenergia, dentro do Programa de Sustentabilidade do Grupo para o desenvolvimento das comunidades onde ele atua, realizando parcerias e implementando programas que contribuam para o desenvolvimento social, por meio de ações de empoderamento e valorização da cultura e dos costumes locais.

Para Karine Severo, Gerente do Departamento de Comunicação Institucional e Sustentabilidade da Cosern, o compromisso da Distribuidora com a cultura potiguar, ao se renovar a cada ano, é mais uma prova de que a atuação da empresa vai além do fornecimento de energia elétrica. “Nesses quase vinte anos da Política de Patrocínios, já levamos sorrisos, histórias, educação, transformamos muita energia em cultura. Estamos cumprindo com a nossa missão de iluminar a vida das pessoas”, finaliza.

Durante o processo seletivo 2017, a Cosern recebeu 131 propostas de patrocínios culturais via leis de incentivo. Os 19 projetos culturais selecionados (veja relação abaixo) abrangem todas as regiões do estado, de acordo com os segmentos:

Cinema e Audiovisual:

  • Cine Sertão;
  • Mostra Trinca Audiovisual; e
  • Festival Internacional de Cinema de Baía Formosa.

Música:

  • Movimento Sinfônico OSRN;
  • Oficinas na Ilha 2017;
  • Circulação no RN do show “Mirá”, de Valéria Oliveira; e
  • Som Sem Plugs.

Teatro e Artes cênicas:

  • Santa Luzia Cultural – Oratório de Santa Luzia;
  • Estação Cascudo – Sertão Criança; e
  • Narrativas do Silêncio (Inclusão de surdos).

Educação e Literatura:

  • XIII Feira do Livro de Mossoró;
  • Caravana de Escritores Potiguares; e
  • Casa das Palavras.

Cultura Popular:

  • Conexão Elefante Cultural;
  • Transforme-se;
  • Conexão Felipe Camarão 2017;

Multicultural:

  • Música, Cinema e Literatura na Praça – Praça Para Todos;
  • Troféu Cultura;
  • Projeto Cultural Eco Praça;

Noite memorável homenageia cantor e compositor potiguar Elino Julião

Quem passava pelo terceiro piso do Midway Mall podia ouvir de longe os inconfundíveis sons da sanfona, zabumba e triângulo. O trio recepcionava o público ansioso pelo espetáculo do projeto Morada da Memória Elino Julião, realizado na última quinta-feira (1º/6), no Teatro Riachuelo, promovido pelo cemitério e crematório Morada da Paz e pela Prefeitura do Natal.

Segundo Ibsen Vila, um dos diretores do Grupo Vila, o objetivo do projeto foi manter viva a memória de Elino Julião. “Não queremos que as pessoas esqueçam desse artista tão importante para a cultura potiguar. É nossa missão divulgar e fortalecer a cultura”.

Entre os presentes, era clara a paixão pelo forró e pelo ícone do gênero que levou a música e a cultura do RN para o Brasil e o mundo. Quando o espetáculo começou e o ator Rodrigo Bico entrou acompanhado do trio sanfoneiro, usando o chapéu e o colete que Elino usava em seus shows, foi a certeza de que aquela seria uma noite memorável para todos que estavam no Teatro.

Para Rodrigo, a emoção de interpretar Julião vai ser difícil de ser superada. “O momento de apresentar um trabalho feito com tanto estudo e amor é sempre o mais bonito. Estar perto do público e sentir tanto amor foi muito emocionante. Esse encontro com Elino e sua história foi muito marcante pra mim”.

Após alguns versos de Rodrigo, a Orquestra Sinfônica do Rio Grande do Norte entoou os primeiros acordes, desta vez acompanhada do som do trio Os Forrozêro, liderado por Zé Hilton, que acompanhou Elino durante quatro anos, inclusive em turnê internacional. A mistura inusitada da música clássica com o autêntico pé de serra não poderia ter casado melhor, mérito da maravilhosa regência do maestro Linus Lerner, que tirou de letra o desafio.

Segundo ele, quando recebeu o convite para participar do projeto, houve um pouco de receio, pois ele acreditava que a música de Elino era um forró para entretenimento. “Tudo mudou quando ouvi as letras, pois não esperava que fossem tão lindas. Elas carregam também um conteúdo social, que fala do Nordeste e seu povo. Eu realmente me surpreendi”, revela o maestro.

O primeiro artista convidado a cantar as letras de Julião foi o inconfundível Isaque Galvão que, emocionado, lembrou da música “Filho de Goiamum”, que gravou para um dos CDs do artista. Para Isaque, Elino foi, e continuará sendo um ícone da música popular brasileira. “Todas as músicas dele são lindas, ele era ótimo! Com certeza os jovens que estão ouvindo suas composições hoje estão tendo uma grande surpresa com a musicalidade surpreendente que Elino carregava”, disse o cantor, que chegou a acompanhar Julião em uma turnê de 15 shows pela Europa.

Em sequência veio a apresentação emocionada de Araken Batista, filho de Elino, que cantou a música “Sant’ana”, composição de seu pai e sua mãe Veneranda. Para ele, a emoção de cantar em um concerto de homenagem ao pai é inigualável. “Estou muito feliz e tenho certeza de que ele está”, disse o artista que cantou ao lado Sibelle de Luna.

A cantora e compositora Alessandra Macêdo encantou o público com a doce interpretação das músicas “Relampiou”, “Na Bodega do Expedito” e “Meu Cofrinho de Amor”. A última artista convidada foi Khrystal, que com sua força e sensibilidade transmitiu toda a emoção de uma das composições mais bonitas de Julião, a música “Finja que não me quer”. Para Khrystal, a oportunidade de prestar uma homenagem ao grande artista foi muito especial. “Tive pouco contato com Elino, mas tenho uma forte conexão com ele. Há muito tempo canto suas músicas”, disse emocionada.

A noite terminou como deveria terminar, com muita alegria e “chinelo arrastando”. Em clima de São João, todos os artistas subiram ao palco e convidaram o público a dançar as últimas músicas do espetáculo, que ocupou, em pares, todos os espaços livres do teatro.

Nesta quarta-feira, acontece mais uma edição do “Quartas Clássicas”

O Teatro Riachuelo recebe nesta quarta-feira (31), às 20h, a 3ª edição de 2017 do “Quartas Clássicas”, dentro do Projeto Movimento Sinfônico, da Orquestra Sinfônica do Rio Grande do Norte, patrocinado pela Cosern por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura Câmara Cascudo.

Os ingressos são gratuitos e podem ser retirados na bilheteria do teatro a partir das 12h desta 4ª feira. Os interessados deverão apresentar CPF e cada pessoa terá direito a retirar até dois ingressos.

Nesta quarta-feira, o convidado do Projeto, que se apresentará ao lado da Orquestra Sinfônica do RN, regida pelo maestro Linus Lerner, é o violinista Edwin Kim. Nascido em Seul, na Coreia do Sul, ele se formou na Escola Superior de Artes de Seul, na Universidade Nacional de Música de Viena, na Áustria, e na Universidade Nacional de Música de Hannover, na Alemanha. Atualmente ele é professor de violino na Universidade de Hanyang, em Seul.