Arquivo da categoria: consumidor

Midway Mall  sorteia três Troller zero km nesta terça-feira (9)

O Midway Mall irá sortear na próxima terça-feira, dia 09, a partir das 16:30h, em sua praça central, os três carros Troller 4×4 da sua promoção de fim de ano, avaliados em quase R$ 400 mil no total.

O evento contará com uma apresentação musical especial da ORQUESTRA DE VIOLINOS E FLAUTA da cidade de TIBAU DO SUL, organizada pelo Maestro Quefrem Santos, composto por 30 adolescentes músicos, com o sorteio sendo realizado logo após o concerto.

A promoção deste ano já superou todas as expectativas da organização, e vem registrando até o momento mais de um milhão de cupons cadastrados, já tendo ultrapassado a marca de 2017.

Assim como nos anos anteriores, o sorteio contará com a auditoria da Caixa Econômica Federal, entidade reguladora da Campanha, além de uma banca validadora, composta por membros da Administração, CDL  e da Associação de Lojistas do Midway Mall.

O consumidor ainda pode concorrer à promoção. Notas de compras válidas de 26 de outubro até o dia 07 de janeiro, poderão ser apresentadas para receber o cupom de sorteio,no Posto de Troca,  localizado no 3º piso, até a segunda-feira, 08 de janeiro. As urnas continuam no 2º piso, ao lado da Drogaria Globo, e estarão disponíveis até as 23h da segunda-feira, 08 de janeiro.

Correios: Esclarecimento sobre obrigatoriedade da apresentação de nota fiscal em postagem de encomenda

Desde o dia 2 de janeiro, a apresentação de nota fiscal nas postagens de encomendas passou a ser obrigatória. A medida visa atender às exigências dos órgãos de fiscalização tributária, que determinam que o transporte de qualquer mercadoria sujeita à tributação deve ocorrer com a nota fiscal.

Cabe esclarecer que essa não é uma exigência dos Correios, mas dos órgãos de fiscalização tributária. A empresa apenas está cumprindo a legislação, que também se aplica a todos os demais transportadores do país.

A postagem de qualquer mercadoria sujeita a tributação deve ser acompanhada do respectivo documento fiscal afixado na parte externa da encomenda. Para produtos que não estão sujeitos à tributação, o remetente – sob sua responsabilidade – poderá preencher uma declaração de conteúdo (disponível no site ou nas agências dos Correios), que também deverá ser fixada na parte externa.

É importante ressaltar que essa regra não é nova para as postagens de pessoas jurídicas com os Correios. As empresas de e-commerce já adotam essa prática. A mudança se aplica principalmente para as postagens feitas no varejo, diretamente nas agências.

Cosern orienta como deixar equipamentos elétricos em segurança e economizar energia

O período de veraneio tão aguardado por muitos potiguares está se aproximando e muitas famílias costumam pegar o caminho da praia depois do Natal e só retornar às suas residências depois do carnaval – ou ficar alternando viagens curtas entre um endereço e outro.

Para viajar com tranquilidade e evitar surpresas desagradáveis no retorno com relação aos eletrodomésticos, é preciso reforçar alguns cuidados que garantem um ambiente seguro com a energia elétrica e evitam desperdícios. Confira a seguir as dicas elaboradas pela Cosern:

•        Desligue todos os equipamentos eletrônicos da tomada. Essa medida gera economia na conta de energia elétrica. De acordo com dados do Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel), aparelhos ligados em modo stand bye representam 21% do consumo doméstico. Essa medida também previne possíveis riscos de queima de equipamentos por sobrecargas em caso de descargas elétricas provocadas por raios.

•        Caso vá ficar ausente da residência por mais de uma semana, desligue a geladeira, esvazie a parte do refrigerador e do congelador e deixa as portas do eletrodoméstico abertas. Se o período de viagem for menor e não houver alimentos perecíveis dentro, não vale a pena desligar.

•        Desconecte antenas internas de TV, cabos de telefone e de provedores de internet. Isso evita que eventuais descargas elétricas provocadas por raios possam atingir os equipamentos por esses fios.

Em tempo de calor: Ventilador, climatizador ou ar condicionado?

Um aparelho de ar-condicionado em dias de muito calor é a garantia do conforto que muita gente deseja, especialmente em lugares de altas temperaturas como é o caso do Rio Grande do Norte.

Mas, antes de investir nesse eletrodoméstico – que representa o maior consumo de energia elétrica em uma residência – é preciso avaliar bem as necessidades reais e o impacto financeiro na conta de energia elétrica no final do mês. Existem outros aparelhos que também servem para refrescar um ambiente, tais como ventiladores e climatizadores, cada um com suas particularidades e consumo de energia elétrica.

No quesito financeiro, por exemplo, o ventilador sai na frente. Além de ser mais barato do que o ar-condicionado, ele também é mais econômico. De acordo com dados da Eletrobrás, um aparelho de ar-condicionado pode consumir até 12 vezes mais energia do que um ventilador portátil. A questão é que nem sempre o lado financeiro é o que mais pesa na hora da escolha. Problemas respiratórios e alergia à poeira, por exemplo, podem ter grande influência no momento da compra.

Seja qual for a escolha, o é importante destacar que a economia também depende do uso consciente dos aparelhos elétricos. Desligar os equipamentos quando não houver ninguém no ambiente é uma dica muito importante. Veja as dicas da Cosern e avalie as vantagens e desvantagens de cada tipo de aparelho para ajudar na hora da compra:

Ventilador: De acordo com o Manual de Consumo Consciente de Energia da Cosern, a potência média de um ventilador é de 100 W. A desvantagem é que essa não é a melhor opção para quem tem problemas respiratórios e alergia à poeira, já que o aparelho ajuda a espalhar partículas e direciona o vento para um único ponto, além de não umidificá-lo.

Ar-condicionado: No caso dos aparelhos de ar-condicionado, a principal vantagem é o conforto térmico. No entanto, ele consome mais energia e costuma deixar o ar mais seco. Se a sua escolha for comprar um desses, uma dica para minimizar o problema é deixar uma bacia com água no ambiente para ajudar a umidificar o ar.

A potência do ar-condicionado residencial normalmente varia de 900 W a 1.400 W. Em média,  ele consome mais de 190 kWh ao mês – se ligado durante oito horas por dia – mais que o dobro do consumo do chuveiro elétrico e mais que o triplo da geladeira.

Ainda sobre o ar-condicionado, este não deve ser instalado em locais expostos ao sol e, durante o seu uso, portas e janelas devem ficar bem fechadas quando o ar-condicionado estiver ligado, além de ser muito importante não esquecer de limpar os filtros.

Climatizador: São aparelhos que conseguem reunir vantagens tanto do ventilador quanto do ar-condicionado. O aparelho promove a circulação do ar em todo o ambiente e também consegue manter o ar úmido, através da evaporação de água. Entre as vantagens, está o fato de ser mais econômico dp que o ar-condicionado, mais barato e mais leve, o que facilita o transporte para diversos lugares.

Para quem tem problemas respiratórios, o climatizador de ar é a opção mais adequada. A potência varia de 130 W a 1.500 W. Mas atenção: como o objetivo do climatizador não é refrigerar o ambiente – e sim ventilar e umidificar –, ele não é um equipamento adequado para ser usado em lugares já excessivamente quentes e úmidos.

Atenção ao Selo Procel: É importante lembrar que os equipamentos com Selo Procel de Economia de Energia são os mais econômicos. Muitas pessoas confundem este selo com a Etiqueta do Inmetro, que avalia o nível de eficiência energética dos equipamentos e classifica por categorias, sendo A os mais eficientes, e podendo chegar de C até G, dependendo do produto.

Água Mineral: Apesar do selo ser obrigatório, há empresas que trabalham irregular

Em maio deste ano, o consumidor potiguar ganhou uma nova ferramenta de fiscalização da qualidade e legalidade para os garrafões das águas mineral e das adicionadas de sais, de 10 e 20 litros. O Selo Fiscal de Controle, validado pelas Vigilância Sanitária no RN (Suvisa) e Secretaria Estadual de Tributação (SET), deve vir afixado no lacre dos produtos, de forma clara e visível para o comprador, e é concedido às fontes de água que estão em dia com as obrigações tributárias e sanitárias.

Com seis meses de vigência do selo, é possível fazer uma avaliação do resultado preliminar dessa ação. Apesar dos esforços da SET, da Suvisa e do Sindicato da Indústria de Cervejas, Refrigerantes, Águas Minerais e Bebidas em Geral do Estado do Rio Grande do Norte – Sicramirn para garantir a melhor qualidade do produto que chega às casas dos potiguares, algumas empresas continuam distribuindo água envasada de forma irregular. Por isso, faz-se cada vez mais necessário um trabalho conjunto de fiscalização que só é possível por meio da parceria eficiente entre Estado e consumidor – principal beneficiado pelo selo.

O selo vem se mostrando um valioso instrumento de combate à sonegação e à concorrência desleal, já que a sua ausência denuncia a entrada clandestina de produtos no mercado. A lei prevê multa de R$ 60,00 por cada vasilhame que for encontrado em situação irregular. Para Djalma Barbosa, presidente do Sicramirn, os órgãos responsáveis do governo se prontificam a fazer o trabalho de monitoramento de campo e têm conseguido uma fiscalização eficiente, que ainda pode ser melhorada.

“O consumidor é o grande beneficiário, visto que o selo assegura que o produto está de acordo com os padrões sanitários. Nossos esforços são direcionados para um consumidor cada vez mais consciente com relação à aquisição dos produtos com o selo fiscal”, comenta Djalma. Além da fiscalização dos órgãos de controle do Estado, também é necessário que a população, principal interessada na qualidade do produto, participe ativamente da fiscalização do selo. Isso pode ser feito através dos canais oficiais de contato da Secretaria da Tributação como pelo aplicativo do órgão.

Senac: programa premia mais de 20 empresas com boas práticas de manipulação de alimentos no RN

Mais de 20 empresas instaladas no Rio Grande do Norte foram premiadas na edição 2017 do Programa Alimento Seguro, Senac RN, instituição do Sistema Fecomércio. O PAS, criado em 1998, é um projeto que certifica empresas de diversos segmentos que adotaram boas práticas de manipulação e procedimentos de qualidade dos alimentos oferecidos a população. A cerimônia de premiação aconteceu na última quarta-feira (1º), no hotel Holiday Inn.

No segmento Distribuição, o grande destaque foram os supermercados da Rede Nordestão que ganharam prêmios pelas unidades: Alecrim, Petrópolis, Cidade Jardim, Lagoa Nova, Santa Catarina, Igapó, Tirol, Maria Lacerda e a Central de Panificação. Além deles, o supermercado Hiper Queiroz de Mossoró e Quality Distribuidora de Alimentos foram agraciados com a homenagem.

“É um prazer fazer parte do PAS e essa homenagem se estende aos gerentes das unidades que fazem cumprir o treinamento e orientações dadas pelos profissionais do Senac. O Nordestão tem duas fases, antes e depois da implantação do PAS”, afirmou o presidente da Rede Nordestão, Manoel Etelvino de Medeiros, que estava acompanhado do também diretor da rede e vice-presidente da Fecomércio RN, José Geraldo de Medeiros.

No segmento Mesa, oito unidades do Nordestão ganharam o Selo PAS 2017, como também as empresas Aliança Recepções, Ponta Distribuidora de Alimentos e Serviços, Meio Dia Refeições Industriais, PJ Refeições Coletivas e a Cafeteria Três Corações. Em nome das empresas, a gerente administrativa das cafeterias Três Corações no Rio Grande do Norte e Ceará, Deyse Ferreira, falou da “honra em participar do PAS”. “As cafeterias são o nosso cartão de visitas, é onde o consumidor prova os nossos diversos produtos. O PAS garante a qualidade na mesa do nosso cliente e queremos ser parceiro do Senac sempre”, declarou.

O diretor Regional do Senac RN, Fernando Virgilio, comentou a importância do empresariado em investir no PAS, o que mostra a preocupação em oferecer o melhor para o consumidor. “Além da qualidade do produto, o bom atendimento, os empresários têm coragem de investir buscando sempre o melhor, principalmente no momento econômico que vivemos”, completou.

O presidente do Sistema Fecomércio RN, Marcelo Queiroz, comentou que há 16 anos o Senac é o responsável em assegurar a excelência das boas práticas nas empresas do Comércio, Serviço e Turismo do estado, tornando-se referência.

“Nós abraçamos o desafio de não apenas auditar, mas de ajudar e coordenar ações das empresas potiguares na empreitada de se adequar às exigências da certificação. Acredito que esta visão diferenciada do Sistema Fecomércio, através do Senac como entidade certificadora comprometida com o mercado potiguar, tem sido determinante para o sucesso de ambos os lados”, reforçou Queiroz.

Programa de Boas Práticas em Resíduos Sólidos – O evento do PAS Senac também marcou o lançamento do Programa de Boas Práticas em Resíduos Sólidos para o grupo de empresários e gerentes de empreendimentos potiguares. A consultora técnica do programa no Senac, Maria Juliana de Souza, apresentou como funciona a implantação do projeto em quatro fases.

“O programa leva para a empresa melhorias e adequações no gerenciamento dos resíduos sólidos, uma vez que o tema desenvolvimento sustentável ganha tanto destaque, ganhando a atenção dos consumidores. Uma tendência e oportunidade para as empresas e empreendimentos. O projeto pode ser aplicado em condomínios, salões de beleza, hotéis, restaurantes, supermercados e farmácias”, exemplificou Juliana.

Planos de saúde expulsam segurados ao fazer 60 anos, diz ministro

Em entrevista ao jornal Estado de S. Paulo, na última quinta-feira (5), o ministro da Saúde, Ricardo Barros, afirmou que a legislação atual não protege os consumidores de planos de saúde que completam 60 anos. Segundo ele, os preços praticamente dobram quando estão com 59 anos. Trata-se de uma tática de mercado para expulsar os beneficiários. Para ele, esse é um tema importante que deve ser analisado pela comissão especial da Câmara dos Deputados, que analisa a revisão do marco legal do setor.

Para o ministro, alguns temas não estão funcionando adequadamente com a atual regulamentação do setor. São tópicos como o ressarcimento dos planos de saúde ao SUS, quando seus clientes são atendidos no SUS; as multas às operadoras; o reajuste de plano individual, que causou a quase extinção dos dessa modalidade do mercado; e as regras do Estatuto do Idoso, que, para não correr riscos, os planos têm adotado táticas para tirar as pessoas com mais de 60 anos de suas carteiras de beneficiários. “Em vez de cumprir a regra de proteger de aquelas pessoas, está atrapalhando”, afirma o ministro.