Todos os posts de tadeufm

Eleições no RN: quatro candidaturas e um só governo

O quadro político potiguar costuma acompanhar o cenário nacional e este ano não tende a ser diferente apesar de apresentar algumas peculiaridades. O fato é que as cartas já jogadas na mesa da sucessão estadual com as candidaturas do vice-governador Fábio Dantas (PSB), da senadora Fátima Bezerra (PT), do ex-prefeito de Natal, Carlos Eduardo (PDT) e do atual governador Robinson Faria (PSD), irão se movimentar de acordo com o que se articula no plano nacional.

A conversa, ainda não ocorrida, entre o presidenciável Ciro Gomes (PDT) e o ex-presidente Lula, tem a condição de desencadear vários desdobramentos no plano local. Caso Lula diga a Ciro que não tem como apoiá-lo, mas não vai tratá-lo como adversário em lugar nenhum do Brasil, Fátima Bezerra fica sem condições de atacar o que se prenuncia como seu principal adversário pelo governo do Rio Grande do Norte, Carlos Eduardo, que é o candidato dono do palanque local de Ciro Gomes. Fátima Bezerra, por sua vez, será até certo ponto poupada de críticas da parte de seu principal concorrente, Carlos Eduardo.

No meio disso tudo quem passa a ser motivo de sarrafo geral, tanto de Fátima, como de Carlos e também de Fábio Dantas, é o atual governador Robinson Faria, que pleiteará uma reeleição. Robinson, por sua vez, ao que tudo leva a acreditar, embarcará em plano nacional na candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB), até por falta de opção e, dessa forma, se aproximará de figuras como o deputado federal Rogério Marinho, do ex-governador Geraldo Melo e, quem sabe, do próprio senador José Agripino.

Fábio Dantas, que terá grande dificuldade de aglutinar apoios com a candidatura de Robinson colocada sobre a mesa do jogo eleitoral deste ano, está diante de uma real possibilidade de se tornar competitivo na esteira de um dos nomes mais fortes para a disputa da presidência da República que é o do ex-presidente do Supremo, Joaquim Barbosa, filiado ao seu partido, o PSB.

(Com informações do Portal FocoNordeste)

Brasil: Mais de 1,4 mil travestis e transexuais pediram nome social no título

Dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) mostra que 1.465 travestis e transexuais solicitaram a inclusão do nome social no título de eleitor. Desse total, 791 eleitores pediram mudança da identidade de gênero no Cadastro Eleitoral. Nome social é como transexuais ou travestis querem ser reconhecidos socialmente.

O prazo para pedir alteração para nome social vai até 9 de maio. Essa é a mesma data limite para fazer qualquer mudança no cadastro eleitoral. Segundo a Justiça Eleitoral, a atualização da identidade de gênero pode ser feita no cartório ou no posto de atendimento referente à zona eleitoral do interessado.

O TSE informou ainda que os pedidos foram apresentados em 551 municípios, no Distrito Federal e em 25 capitais. Para fazer a mudança basta apenas apresentar um documento de identificação com foto no cartório eleitoral ou posto de atendimento.

MPF denuncia ex-prefeito de Nova Cruz

Flávio Azevedo responderá também a ação de improbidade por não ter prestado contas de recursos federais destinados à educação

O Ministério Público Federal no Rio Grande do Norte (MPF/RN) apresentou uma denúncia e uma ação de improbidade administrativa contra o ex-prefeito de Nova Cruz, Flávio Azevedo Rodrigues de Aquino. Ele não prestou contas de um repasse recebido em 2010, no valor de R$ 48.900, e cujos recursos deveriam ter sido investidos na educação de jovens, adultos e idosos, dentro do programa Brasil Alfabetizado.

As ações do MPF foram assinadas pelo procurador da República Fernando Rocha e demonstram que o gestor não informou o destino da verba, oriunda do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Os danos causados pela omissão de Flávio Azevedo persistiram além de seu mandato, encerrado em 2012, uma vez que o Município teve suspensos outros repasses do FNDE, como consequência da falta de prestação de contas.

De acordo com as ações, o fundo ainda alertou o ex-prefeito várias vezes, na tentativa de regularizar a situação, mas não obteve resposta. Nem mesmo o sucessor de Flávio Azevedo conseguiu solucionar o problema, pois o denunciado não deixou na prefeitura qualquer tipo de documento contábil ou financeiro que comprove a destinação da verba.

As ações do MPF foram protocoladas na Justiça Federal sob os números 0802840-61.2018.4.05.8400 (improbidade) e 0802838-91.2018.4.05.8400 (denúncia) e Flávio Azevedo irá responder por supressão de documento, crime de responsabilidade e por ato de improbidade administrativa que atenta contra os princípios da administração pública.

Campanha Nacional de Vacinação começa nesta segunda-feira (23)

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza 2018 tem início nesta segunda-feira (23) e prossegue até 1° de junho, sendo 12 de maio o “Dia D” de mobilização nacional. De acordo com a Coordenação Estadual de Imunizações (CEI) da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), a estimativa é vacinar mais de 54,4 milhões de pessoas em todo o país e 879.430 no Rio Grande do Norte, tendo como meta vacinar, pelo menos, 90% dos grupos prioritários.

Fazem parte dos grupos elegíveis para a vacinação as crianças na faixa etária de seis meses a menos cinco anos de idade (4 anos, 11 meses e 29 dias), gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), indivíduos a partir dos 60 anos, trabalhadores da saúde, professores de escolas públicas e privadas, povos indígenas, grupos portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas, a população privada de liberdade e os funcionários do sistema prisional.

Segundo Katiucia Roseli, coordenadora estadual de Imunizações, “a Sesap está concentrando esforços, por meio da CEI e das Unidades Regionais de Saúde, para que os municípios vacinem o máximo possível de pessoas pertencentes aos grupos prioritários. A ideia é que assim se possa reduzir as internações, complicações e óbitos causados por influenza”.

Brasil abre 56.151 novos postos de trabalho em março

O mês de março registrou a abertura de 56.151 novos postos de trabalho no Brasil, um aumento de 0,15% em relação ao estoque de fevereiro. O resultado é decorrente de 1.340.153 admissões e de 1.284.002 desligamentos. Os dados estão no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho, divulgado nesta sexta-feira (20).

“Nosso Brasil segue a rota da retomada do crescimento, com mercado aquecido e a certeza de que estamos no rumo certo. O trabalho continua e hoje é mais um grande dia, pois esses resultados confirmam nossa expectativa”, avalia o ministro do Trabalho, Helton Yomura.

Setores  Seis dos oito principais setores econômicos tiveram saldo positivo. O principal deles foi o de Serviços, com a criação de 57.384 novos postos de trabalho, crescimento de 0,34% sobre o mês anterior.

A Indústria de Transformação foi o segundo setor com melhores resultados (+10.450 postos), com um acréscimo de 0,14% sobre fevereiro.

O terceiro melhor resultado ficou com a Construção Civil (+7.728 postos), seguido do setor da Administração Pública (+3.660 postos), Extrativa Mineral (+360 postos) e Serviços Industriais de Utilidade Pública (SIUP) (+274 postos).

Apenas dois setores apresentaram saldos negativos: Agropecuária (-17.827 postos) e Comércio (-5.878 postos).

Regiões  Das cinco regiões, três apresentaram saldos positivos no emprego. O melhor desempenho foi no Sudeste, que teve um acréscimo de 46.635 postos. O Sul teve aumento de 21.091 vagas formais, seguido do Centro Oeste, que criou 2.264 novos postos. Os desempenhos negativos foram registrados no Norte (-231 postos) e no Nordeste (-13.608 postos).

Entre as unidades da federação, 15 estados e o Distrito Federal registraram variação positiva no saldo de empregos e 11 estados, variação negativa. Os maiores saldos de emprego ocorreram em São Paulo (+30.459), Minas Gerais (+14.149), Rio Grande do Sul (+12.667), Paraná (+6.514), Goiás (+5.312) e Bahia (+4.151).

Os menores saldos de emprego ocorreram em Pernambuco (-9.689), Alagoas (-6.999), Mato Grosso (-3.018), Sergipe (-2.477), Pará (-787 empregos) e Mato Grosso do Sul (-646).

Inep divulga cronograma do Censo Escolar 2018

Diretores e gestores da rede de ensino devem enviar dados e informações para o Censo Escolar a partir do dia 30 de maio por meio do sistema Educacenso. O prazo para envio segue até o dia 31 de julho.

Os resultados do censo serão encaminhados para o Ministério da Educação no dia 14 de dezembro, para publicação no Diário Oficial da União (DOU). A divulgação dos resultados definitivos será em janeiro de 2019.

O Censo Escolar é o mais importante levantamento da educação brasileira. Coordenado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), ele abrange as diferentes etapas e modalidades da educação básica e profissional, de todas as escolas públicas e privadas do País.

Emparn confirma chuvas acima da média no Rio Grande do Norte

Boa notícia para o estado: tem chovido acima do esperado no Rio Grande do Norte. A Unidade de Meteorologia da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (Emparn) elaborou um relatório com as informações pluviométricas no estado, desde 1º de janeiro de 2018 até a última quarta-feira (18).

O levantamento revelou que o acumulado ficou 22,3% acima da média, apesar do veranico (período sem chuva) prolongado de março. A média utilizada para o estudo, segundo o chefe da unidade, Gilmar Bristot, refere-se aos dados coletados, no período de 2003 a 2016, dos postos pluviométricos com mais de 30 anos acompanhados pela Emparn.

A pesquisa foi realizada mês a mês e por mesorregião do Estado, em fevereiro, na sede da Emparn, no bairro do Jiqui, em Parnamirim. O estudo confirma as previsões dos meteorologistas do Nordeste e de várias instituições e órgãos nacionais: as chuvas estão acima da média em várias regiões do RN e do Nordeste, principalmente no semiárido, que atravessava seis anos consecutivos de estiagem.

Estatística

No mês de janeiro de 2018, nas quatro regiões do Estado, as precipitações acumuladas chegaram a uma média observada de 50,6mm, quando comparada a uma média histórica de 36,9mm, indicando um desvio positivo de 37,1%.

No mês de fevereiro, as chuvas acumuladas atingiram uma média de 163,4mm, para uma média histórica de 70,5mm, apontando um saldo acima da média de 131,9%.

No mês de março, quando ocorreu o veranico de mais de 20 dias, as chuvas observadas chegaram a 105,6mm, para uma média de 147,6mm, portanto um resultado negativo (-28,4%).

Até o dia de ontem (18), o mês de abril vem apresentando um comportamento altamente favorável principalmente no sertão nordestino. No Rio Grande do Norte não tem sido diferente. O acumulado no Estado chega a 486,8 milímetros, para um histórico do clima de 398,0mm, o que representa 22,3% acima da média.