Memória

Traslado de Augusto Severo para o RN será concluído na próxima sexta-feira (16); chegada prevista para às 14h

Após 120 anos de sua morte, Augusto Severo, um dos maiores nomes da história da aviação brasileira retornará para Macaíba, sua terra natal. Os restos mortais do aeronauta chegarão ao Estado do Rio Grande do Norte na tarde da próxima sexta-feira (16/12) no Centro Cultural Trampolim da Vitória, antigo aeroporto internacional que fora batizado com o nome desse famoso macaibense.

Após a chegada, prevista para o horário das 14h, será realizada uma solenidade com a presença da governadora do Estado do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra; do vice-governador Antenor Roberto; do prefeito de Parnamirim, Rosano Taveira; do prefeito de Macaíba, Emídio Júnior; e do comandante da Base Aérea de Natal (BANT), brigadeiro do ar, Éric Cólen, dentre outras autoridades civis e militares.

Também serão transportadas para o nosso estado as peças originais, efígie e adornos para serem utilizados na construção do novo mausoléu, que para sempre guardará os restos mortais do inventor do dirigível Pax em solo macaibense. Entretanto, inicialmente, os restos mortais de Augusto Severo ficarão abrigados no Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte (IHGRN), que teve como um de seus fundadores o também renomado macaibense Alberto Maranhão.

Cabe destacar que o prefeito Emídio Júnior participou do processo de exumação dos restos mortais do ilustre macaibense, no Rio de Janeiro, na última segunda-feira (05/12). O gestor municipal de Macaíba integra a Comissão Organizadora dos 120 anos do encantamento de Augusto Severo constituída por representantes da Prefeitura de Macaíba e do Governo do Estado do Rio Grande do Norte, entre eles, o vice-governador Antenor Roberto; pelo jurista Armando Holanda; a representante da Academia Norte-rio-grandense de Letras, Leide Câmara e o vice-presidente da Fecomércio/RN, Luiz Antônio Lacerda. A comissão contou ainda com a nobre presença de Mário Sérgio Albuquerque Maranhão, bisneto do macaibense Augusto Severo, além de Rondinelli Dantas, diretor-presidente do MacaíbaPREV.

Os restos mortais do aeronauta estavam sepultados no cemitério São João Batista, no bairro Botafogo, Rio de Janeiro, e serão conduzidos para o cemitério São Miguel, no Centro de Macaíba. A ação faz parte de uma série de homenagens em decorrência dos 120 anos de encantamento de Severo, entre elas, uma solenidade de celebração no Museu da Rampa, no bairro Santos Reis, em Natal, no último mês de maio.

Mais de um século após o falecimento de Augusto Severo, as homenagens ao inventor foram realizadas das mais variadas formas, desde a denominação de ruas, praças e escolas em diversas cidades, entre elas, Paris, Rio de Janeiro, Macaíba, São Paulo e Natal. O novo polo de ciência e tecnologia do Rio Grande do Norte recebe o nome do macaibense, o Parque Científico e Tecnológico Augusto Severo (PAX), localizado na comunidade Jundiaí, próximo ao Instituto Santos Dumont (ISD) e a Escola Agrícola de Jundiaí (EAJ), em Macaíba.

Sobre Augusto Severo

O aeronauta Augusto Severo de Albuquerque Maranhão nasceu em Macaíba no dia 11 de janeiro de 1864. Irmão dos também ilustres Alberto Maranhão e Pedro Velho, o macaibense destacou-se também em outras atividades como a política e o jornalismo. Em 1892, ainda como deputado, iniciou um dos seus mais ousados projetos: o dirigível Bartholomeu de Gusmão.

Surpreendendo o mundo, o inventor macaibense construiu uma aeronave revolucionária, entretanto, devido aos problemas técnicos, o dirigível de Maranhão se partiu no ar no seu primeiro teste sem as amarras, uma queda que não destruiu seu sonho. No começo do século XX, Maranhão se afastou da política para conceder vida a sua utopia, projetando e construindo o dirigível Pax, onde demostrou sua genialidade e perspicácia.

No dia 12 de maio de 1902, durante um grande evento junto com seu mecânico Georges Saché, Augusto Severo elevou o seu dirigível por mais de 400 metros em solo francês, realizando diversas manobras que mostrava que o sonho tinha se tornado realidade, o homem podia voar. Após cerca de 10 minutos no ar, o Pax explodiu subitamente, levando seus dois tripulantes ao solo e consequentemente a morte.

Com informação da Assecom-PMM

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: