Pesquisa

Desigualdade Social: Taxa de desocupação entre pretos no Rio Grande do Norte é a maior desde 2012

 O IBGE divulgou a 2ª edição do estudo Desigualdades Sociais por cor ou Raça no Brasil que tem como objetivo mostrar as desigualdades sociais por cor ou raça, a partir da construção de um quadro composto por dimensões das condições de vida da população brasileira, como mercado de trabalho e distribuição de renda, condições de moradia e patrimônio e educação. São analisados, da mesma forma, indicadores relativos à violência, à representação política e ao ambiente político do Município. No mercado de trabalho, a taxa de desocupação do Rio Grade do Norte em 2021 foi de 15,6%, maior do que a registrada em 2012 que foi de 10,8%. Entre as pessoas brancas essa taxa foi de 13,0%, menor se comparada entre pretas (18,9%) e pardas (16,9%). Ao longo dos anos a disparidade também aumentou. Enquanto que em 2012 a taxa de desocupação entre pessoas brancas era de 9,1%, entre pretas era de 8,8% e pardas 12,2%.   Para o IBGE, considera-se taxa de desocupação o percentual de pessoas desocupadas, na semana de referência em relação ao total de pessoas na força de trabalho. ­­O estudo também trouxe dados sobre ocupação formal e informal, por cor ou raça. O total de postos formais e informais ocupados por pessoas pretas no Rio Grande do Norte saiu de 38 mil em 2012 para 126 mil em 2021, um aumento percentual de aproximadamente 228%. Porém, a quantidade de postos formais e informais ocupados por pretos continua sendo menor do que os ocupados por brancos e pardos. Em 2021, pessoas brancas ocupavam 520 mil postos formais e informais, uma diferença de aproximadamente 311% em relação aos postos ocupados por pessoas pretas. Já na comparação com pessoas pardas, foram 653 mil postos ocupados, uma diferença de aproximadamente 417%. ­­­O IBGE também buscou saber informações sobre as condições de moradia da população. Um dos quesitos levantados foi quanto seria o valor médio do aluguel estimado dos domicílios próprios caso eles fossem alugados nos anos de 2017 e 2018. No Rio Grande do Norte, a média total estimada era de R$ 424,00. Já para pessoas brancas, essa média subiu para R$ 500,00 e, entre pessoas pretas ou pardas, a estimativa era de R$ 379,00, diferença de R$121,17. Entre as Unidades da Federação, o Distrito Federal apresentou a maior diferença entre brancos e pretos ou pardos (R$ 692,80), já a menor foi a do Acre (R$ 40,63). No Brasil, o valor do aluguel estimado dos domicílios próprios de pessoas brancas era de R$ 998,00, enquanto que para pessoas pretas ou pardas essa média caiu para R$ 555,00, diferença de R$ 443,32. ­­­
­­Segurança nas escolas ­­
­­Em 2019, o percentual de escolares de 13 a 17 anos que não compareceram à escola por falta de segurança no trajeto casa-escola ou na escola nos 30 dias anteriores a pesquisa foi de 15,1% no Rio Grande do Norte. Este percentual era de 13,6% entre escolares brancos; 18% entre pretos; e 14,2% entre pardos.O percentual de escolares pretos que se sentiram inseguros para irem ou permanecerem na escola foi maior do que brancos e pardos em 20 das 26 Unidades da Federação mais o Distrito Federal. Destaque para Roraima, com 27,2% das crianças pretas se sentindo inseguras, enquanto que brancas e pardas foram 18,4% e 17,4% respectivamente. Esses dados foram extraídos da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar. Da mesma pesquisa foram extraídos dados sobre os escolares de 13 a 17 anos que estiveram envolvidos em briga na qual alguma pessoa usou arma branca. Acompanhado do Ceará, o Rio Grande do Norte é o estado brasileiro com o menor percentual nacional (3,7%) de escolares de 13 a 17 anos que, em 2019, estiveram envolvidos em briga na qual alguma pessoa usou arma branca nos 30 dias anteriores à pesquisa. Desse percentual, no estado potiguar, 3,2% eram brancos, 5,1% pretos e 3,6% pardos.   Nacionalmente, esses valores caíram se comparado a anos anteriores. Em 2015, o percentual nacional total foi de 7,9%, brancos 6,1%, pretos 13,8% e pardos 7,4%. Já em 2019, os números foram menores, porém o percentual de pessoas pretas (7,3%) que se envolveram em brigas com uso de arma branca ainda supera o de pessoas brancas (4,0%) e pardas (4,5%). ­­
­­Em 2020, apenas 3 prefeitos eleitos no RN eram pretos­­
­­No estudo, o IBGE também compilou dados do Tribunal Superior Eleitoral referentes às eleições locais de 2020 (prefeitos e vereadores). Em 2020, o número de prefeitos eleitos no Rio Grande do norte por cor ou raça foi de 109 brancos (65,7%), 3 pretos (1,8%) e 53 pardos (31,9%). Já em 2016 a realidade foi semelhante, sendo 57,6% de prefeitos eleitos brancos, 0,5% pretos e 41,3% pardos.   Já no Brasil, em 2020 apenas 2,0% (ante 1,7% em 2016) dos prefeitos eleitos eram pretos, enquanto que 67,1% (ante 70,3% em 2016) eram brancos e 30% (ante 27,4% em 2016) eram pardos. Ademais, em 2020, seis estados brasileiros não elegeram nenhum prefeito preto e nove elegeram apenas um. Já com relação aos vereadores eleitos no RN em 2020, 823 deles declararam ser brancos (49,8%), 72 pretos (4,4%) e 742 pardos (44,9%). ­­
­­No RN, candidatos pretos acessaram menos recursos nas eleições locais de 2020 para prefeito­­
­­Nas eleições para prefeito de 2020, o Rio Grande do Norte contou com 312 candidatos brancos, 18 pretos e 183 pardos. Dos candidatos brancos, mais da metade, 81,1%, tiveram receita de R$ 20 mil a 500 mil, enquanto que apenas 41,2% dos candidatos pretos dispuseram desses recursos para financiar suas campanhas. A maior parte dos candidatos pretos, 58,8%, só dispuseram de recursos de até R$ 20 mil. Nessa mesma análise, 73,1% dos candidatos pardos tiveram receita entre R$ 20 mil e R$ 500 mil e 25,7% financiaram suas campanhas com até R$ 20 mil. ­­
­­­­­A campanha para prefeito em 2020 no Rio Grande do Norte teve uma receita de candidatura total de aproximadamente R$ 39 milhões. Desse total e em valores aproximados, R$ 26 milhões foi destinado a campanha dos 312 candidatos brancos, R$ 1 milhão para a campanha dos 18 candidatos pretos e R$ 11 milhões para a candidatura dos 183 candidatos pardos.   De posse desses dados, pode-se dizer que no RN a receita disponível por candidato branco era de aproximadamente R$ 86.460,00; por candidato preto de aproximadamente R$ 57.680,00; e por candidato pardo de R$ 63.700,00.Já no Brasil, a receita por candidatura foi em média de R$ 116.250,00 por candidato branco, R$ 112.600,00 por candidato preto e R$ 98.350,00 por candidato pardo. ­­

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: