Gestão Pública

Defensoria Pública do RN recomenda que prefeitura anule edital de concurso em Macaíba

A Defensoria Pública do Rio Grande do Norte recomendou que a prefeitura de Macaíba anule o edital do concurso municipal para preenchimento de 627 vagas de nível médio e superior aberto no ano passado, além de fazer nova licitação para contratar outra banca para a seleção. Na recomendação, publicada nesta quinta-feira (7), a Defensoria cita que tomará as medidas cabíveis caso a prefeitura não acate o teor da recomendação.

O concurso foi aberto com salários que variam de R$1.082,24 a R$10.573,50. O período de inscrições foi de 3 de dezembro de 2018 a 3 de janeiro deste ano, e as taxas custaram R$ 85 para nível médio e R$ 105 para nível superior.

Defensores que assinam o documento publicado nesta quinta-feira (7) no Diário Oficial, Cláudia Carvalho Queiroz e Rodolpho Penna Lima Rodrigues, deram prazo de 10 dias para a prefeitura responder à recomendação e, caso não haja resposta, a situação pode ser judicializada.

Devolver a taxa   – Pela recomendação, a prefeitura também deve devolver a taxa de inscrição dos candidatos que não queiram mais participar da seleção, em um prazo de 30 dias. Outra recomendação é que prefeitura reformule o edital de abertura do concurso, observando alguns critérios que não permitam a repetição de problemas encontrados no atual.

Para justificar a necessidade de anulação do concurso, a Defensoria Pública afirma que foi embasada em relatos colhidos durante uma audiência pública realizada na cidade de Macaíba, no dia 14 de janeiro, inclusive com a presença de representantes do município, da banca contratada, e mais de 200 candidatos inscritos. Depois, a Defensoria ainda abriu prazo até esta quarta-feira (6) para candidatos mandarem reclamações por e-mail.

Dificuldade técnica – A Defensoria também apontou que houve dificuldades técnicas da empresa contratada para fazer o concurso na geração de boletos,com emissão de documentos sem códigos de barras, incompletos e dados divergentes dos informados, o que impossibilitou o pagamento da taxa de inscrição por muitos candidatos.

Também considerou que houve indeferimento indevido dos pedidos de isenção para os candidatos que comprovaram, por meio de declaração da Justiça Eleitoral, a participação em eleições, como prevê uma lei do município, que garante o direito, entre outros erros.

A Defensoria, por fim, considerou que a banca contratada não resolveu as irregularidades verificadas na fase de inscrição do concurso público e que as ilegalidades e irregularidades apontadas podem “comprometer seriamente a lisura do certame”.

Também lembrou que a banca já teve outros concursos suspensos por irregularidades, inclusive através de decisão judicial e que pelo menos três candidatos já entraram com ação no Tribunal de Justiça, por considerarem que foram prejudicados no ato da inscrição. (Com informação do G1RN)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.