Prazo para saque de cotas do PIS/Pasep termina nesta sexta (28)

Cotistas do Programa de Integração Social (PIS) e do Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público têm até a próxima sexta-feira (28) para sacarem os benefícios fora dos critérios estabelecidos em lei. Desde junho, trabalhadores cadastrados em um dos fundos entre 1971 e 4 de outubro de 1988 estão autorizados e receber o saldo disponível nas contas.

Com o fim do prazo, os saques voltarão a ser permitidos somente para pessoas com 60 anos ou mais, aposentados, herdeiros de cotistas, pessoas em situação de invalidez ou acometidos por doenças específicas.

Para saber se tem direito ao benefício do PIS e do Pasep, a Caixa Econômica Federal também possibilita a consulta pelo telefone 0800-726-0207 ou nos caixas eletrônicos da instituição, desde que o interessado tenha o Cartão Cidadão. No Banco do Brasil, os trabalhadores podem entrar em contato pelos números: 4004-0001 ou 0800-729-0001. As regras para o saque podem ser conferidas aqui.

Campanha Ação Infância e Vida entra na Semana da Solidariedade em todo país

Faça sua doação em reais, pontos Livelo, Dotz, Pontos para Sua Empresa e Incentivo Fiscal

“Para cada ponto doado, um abraço apertado”, é com esse lema que a Campanha Ação Infância e Vida 2018, promovida pela Confederação Nacional das Instituições de Apoio e Assistência à Criança e ao Adolescente com Câncer (Coniacc) em parceria com o Banco do Brasil, dá início a Semana da Solidariedade, que acontece a partir desta segunda-feira (24) e segue até o dia 28 de setembro em todo o Brasil.

Se você é cliente Livelo (Banco do Brasil ou Bradesco), para participar da Semana da Solidariedade é simples. Até o dia 28 deste mês, você pode cadastrar-se na promoção,  transferir seus pontos Livelo para Smiles ou TudoAzul e ganhar até 70% de bônus.  A Smiles e a TudoAzul irão ajudar a Ação Infância e Vida no combate ao câncer infantojuvenil com mais 10%.

A Semana da Solidariedade assim como as demais atividades da Ação Infância e Vida, tem o intuito de mobilizar  funcionários, clientes do BB e a sociedade em geral para apoiar as instituições que lutam pela visibilidade e, principalmente, pela cura do câncer infantojuvenil no país.

A Ação Infância e Vida é considerada uma das mais importantes do Brasil na divulgação e conscientização do diagnóstico precoce do câncer infantojuvenil. Na última edição, realizada em 2017, arrecadou mais de meio milhão de reais, distribuídos entre a Coniacc e as filiadas, para projetos voltados à melhoria da qualidade de vida das crianças e adolescentes assistidos. Confira mais detalhes da Ação no site bb.com.br/infanciaevida

Para transferir qualquer valor em reais, o interessado, sendo ou não cliente BB, deve utilizar a conta da Coniacc:

Banco: 001

Agência: 2870-3

C/C: 33000-0

CNPJ: 10.807.169/0001-01

Universitários realizam campanha “Faça uma Criança Feliz” em Capoeira

Um grupo de estudantes da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) organiza a terceira edição do projeto Faça uma Criança Feliz, ação social comemorativa ao Dia das Crianças, a ser realizada no dia 13 de outubro, na comunidade Capoeira, na zona rural de Macaíba.

A campanha tem como objetivo arrecadar doações de brinquedos novos ou em bom estado de uso, alimentos não perecíveis, roupas também em bom estado e materiais de higiene pessoal. Pessoas da comunidade externa também podem colaborar com a ação.

De acordo com a jornalista Amanda Costa, que ainda como estudante organizou a primeira edição da campanha, um dos modelos de doação é por apadrinhamento. Ou seja, o doador pode ter acesso a uma lista em que pode escolher qual criança quer presentear. Na lista consta nome e idade das crianças.

Os organizadores também abrem espaço para que os doadores participem da ação. Segundo Amanda Costa, a intenção é que além de colaborar com algum material, os participantes também possam “doar um pouco de seu tempo e distribuir alegria”.

Mais informações sobre a campanha pelos números 98715-8355 (falar com Fernando Pontes), 9988-6002 (falar com Amanda Costa) ou 99951-6384 (falar com Sarah Meira).

Formação para a democracia

homeschooling – quando os responsáveis não matriculam seus filhos em escolas públicas ou particulares e optam por orientar os estudos em casa – é legalizado em vários países, como Estados Unidos, Inglaterra, Finlândia, Portugal e Rússia. Por outro lado, em países como a Alemanha e a Suécia, a modalidade é considerada crime e há casos de pais multados, presos e que perderam a custódia dos filhos. No Brasil, o homeschooling é ilegal. A Constituição prevê apenas o modelo de ensino público ou privado, cuja matrícula é obrigatória. Quando um estado ou município identifica que um aluno deixou de estar matriculado em uma escola, aciona o Conselho Tutelar, que comunica o caso ao Ministério Público.

Uma das mais importantes conquistas democráticas de 1988, referendada pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (1990), e pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação (1996), é a obrigatoriedade dos responsáveis de matricular suas crianças na escola. Decisão essa que acaba de ser reiterada pelo Supremo Tribunal Federal, que declarou a prática ilegal enquanto o Congresso Nacional não editar uma lei que a regulamente.  Para além da família, a educação das crianças é tarefa do Estado e da sociedade. É direito inalienável da criança – e não da família – o acesso a um ambiente pedagogicamente estruturado, que assegure o convívio com outras crianças e outros adultos.

Assim, todas as crianças têm garantido o direito de conviver com a diversidade. Como defende José Outeiral, “a sala de aula não é apenas um espaço físico com quadro, cadeiras e mesas, mas um espaço imaginário onde acontece um interjogo de forças inconscientes, que se cruzam, se opõem, entram em conflito ou se reforçam”. O que está em discussão, quando falamos na educação contemporânea, não são apenas os conteúdos, mas características que apenas a socialização desenvolve – e que serão fundamentais para o cidadão e o profissional da nova geração: respeito à diversidade; empatia; maturidade; sentimento de coletividade; altruísmo; inteligência emocional; resiliência; saber lidar com a frustração; criatividade; administração de conflitos; determinação e atingimento de metas, entre outras. Ou seja, a alienação da sociabilidade compromete o processo civilizatório.

Sem dúvidas, a família segue sendo fundamental para a vida de todas as crianças, mas não se pode esperar do berço familiar a educação para a democracia. Além disso, a escola garante outros direitos fundamentais da criança, já que consegue monitorar maus tratos, trabalho infantil, condições de saúde e abusos, por exemplo. Mesmo assim, dados da Associação Nacional de Educação Domiciliar (Aned), revelam que existem atualmente 7,5 mil famílias em regime de homeschooling no Brasil, mais que o dobro das 3,2 mil famílias identificadas em 2016. A estimativa é de que 15 mil crianças recebam educação domiciliar no país, atualmente. Entre os motivos citados para essa prática, estão a falta de qualidade e estrutura da rede de educação pública, a interferência da escola nas preferências políticas e religiosas da família e a exposição da criança a comportamentos violentos e indisciplina de outras crianças.

Ora, vejamos: quando se propõe comparação com países que implantam a política de homeschooling, é necessário considerar o valor que a educação formal representa para essas famílias que, em sua grande maioria, investem recurso muito superior ao que investiria se seu filho estivesse em uma escola convencional. Sobre a interferência da escola em questões religiosas e políticas, o papel das instituições de ensino é mostrar as diferenças e propor um ambiente de discussões, respeito à diversidade, tolerância e pluralidade, dando aos estudantes o poder da liberdade de escolha. E, por último, a despeito de todos os males que a convivência com outras crianças pode causar, já citamos os inúmeros benefícios que ela propicia.

Por Acedriana Vicente Vogel é- diretora pedagógica da Editora Positivo.

MPF, Amarn, Marcco, Ampern e MCCE lançam Campanha “Unidos Contra a Corrupção”

ONG Transparência Internacional Brasil é parceira da ação

Fonte: Amarn

Na próxima segunda-feira (24), às 8h30, no auditório da UNI-RN a Associação dos Magistrados do Rio Grande do Norte (Amarn), o Movimento Articulado de Combate à Corrupção (Marcco/RN), a Associação do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Norte (Ampern), o Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral e o Ministério Público Federal (MPF/RN) lançam a campanha “Unidos Contra a Corrupção” em parceria com a ONG Transparência Internacional Brasil.

O lançamento ocorrerá em uma mesa redonda no Centro Universitário do Rio Grande do Norte (UNI-RN), que contará com a presença de Ana Luiza Aranha, consultora do Centro de Conhecimento Anticorrupção da Transparência Internacional Brasil e representantes das instituições parceiras: o juiz Herval Sampaio, presidente da Amarn e representante do MCCE no RN; os coordenadores do Marcco/RN Antônio Ed Santana e Carlos José Cavalcanti Lima; o procurador de Justiça e presidente da Ampern, Fernando Vasconcelos, e os procuradores da República Fernando Rocha e Cibele Benevides.

Na UFRN, às 19h, haverá uma palestra para divulgação da campanha “Unidos contra a Corrupção” em parceria com Departamento de Ciências Contábeis, no Auditório do Nepsa I – CCSA – Campus da universidade. As inscrições são gratuitas e o evento é aberto ao público.

O objetivo da campanha é buscar o apoio e a mobilização da sociedade civil para conscientizar governos e empresas acerca das melhores práticas globais de transparência e integridade no combate à corrupção, que geram injustiças e desigualdades sociais.

A partir da compilação das melhores práticas nacionais e internacionais e da colaboração de vários setores da sociedade brasileira, construiu-se o maior pacote anticorrupção já desenvolvido no mundo. Trata-se de uma plataforma de propostas de reforma legislativa, administrativa e institucional, com o objetivo de promover um debate público orientado às causas sistêmicas da corrupção e de oferecer soluções permanentes para o seu enfrentamento no longo prazo. Esta iniciativa culminou na criação de um pacote com 70 medidas, incluindo anteprojetos de lei, propostas de emenda à Constituição, projetos de resolução e outras normas voltadas ao controle da corrupção divididos em 12 blocos.

Luiz Lacerda participa de formatura de 300 líderes da Junior Achievement RN

O vice-presidente da Fecomércio RN, Luiz Lacerda, coordenou na noite desta quinta-feira, 20, a solenidade de formatura da 19ª Turma do Programa Miniempresa e da 4ª Turma do Programa Liderança Comunitária da Junior Achievement RN, que aconteceu no auditório do Campus Central do IFRN, em Natal. Lacerda é presidente do Conselho Diretor da entidade no Estado. O empresário e presidente da Associação dos Empresários do Bairro do Alecrim, Pedro Campos de Azevedo, foi o Paraninfo da turma e recebeu uma placa de homenagem pelo apoio prestado.

A Junior Achievement é uma das maiores e mais antigas organizações de educação prática em negócios, economia e empreendedorismo do mundo, que tem sede nos Estados Unidos, está presente em 120 países, e possui unidades em todo o Brasil. É uma associação educativa sem fins lucrativos, mantida pela iniciativa privada, que visa despertar o espírito empreendedor em jovens, ainda na escola, estimulando o seu desenvolvimento pessoal, proporcionando visão clara do mundo dos negócios e criando pontes entre os jovens e o mercado de trabalho.

Foram 300 formandos de 11 instituições de ensino, que atuaram sob a supervisão de 54 executivos voluntários e 10 advisers juniores. Os alunos criaram 17 miniempresas, desde a parte burocrática até o desenvolvimento e comercialização dos produtos, como álcool gel perfumado, fertilizantes, luminárias sustentáveis, bolsas, protetores e hidratantes labiais, entre outros.

“A vida empresarial não é fácil, e vocês puderam ter uma noção disso durante o curso. Mas é uma atividade muito gratificante, ainda mais quando a gente tem uma empresa, e que vê a empresa contribuir com a geração de emprego, com o desenvolvimento econômico e social do nosso estado”, afirmou o vice-presidente da Fecomércio RN e presidente do Conselho Diretor da Junior Achievement RN, Luiz Lacerda.

Ainda durante o evento, os alunos e as miniempresas que mais se destacaram receberam as medalhas “Achiever Destaque”, “Miniempresa Destaque” e “Produto Destaque”, nas categorias ensino médio e ensino superior.

“Para criar uma empresa é necessário planejamento, criar regras claras, ainda mais quando há sociedade. Para que uma empresa possa sobreviver às dificuldades, é preciso agir de forma profissional e coerente. Só assim para garantir sua longevidade”, alertou o paraninfo Pedro Campos.Também estavam presentes na cerimônia o diretor geral do Campus Central Natal do IFRN, José Arnóbio de Araújo Silva; o professor Ótom Anselmo de Oliveira, representando a UFRN; o diretor Executivo da CDL Natal, Joham Alves Xavier; a diretora do Núcleo de Ex-achievers, Ana Ruth da Silva Duarte; a representante do Natal Shopping, Kaline Cysleiros, além dos familiares e amigos dos formando

Ações de segurança reduzem duas mil mortes no trânsito das capitais

As mortes por acidentes de trânsito no país estão em queda. Um levantamento inédito do Ministério da Saúde divulgado nesta terça-feira (18), que marca o início da Semana Nacional do Trânsito, aponta que, em seis anos, houve uma redução de 27,4% dos óbitos nas capitais do país. Em 2010 foram registrados 7.952 óbitos, contra 5.773 em 2016, o que representa uma diminuição de 2,1 mil mortes no período.

Cinco capitais se destacaram, em termos percentuais, com as maiores reduções: Aracaju (SE), com 57,1%; Natal (RN), com 45,9%; Porto Velho (RO), com 43,5%; Salvador (BA), com 42,4% e Vitória (ES) com 42,1%. Os dados são do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM)

Entre os tipos de vítimas, as mortes em pedestres tiveram a maior redução (44,7%), quando comparado os mesmos anos. Os ocupantes de automóveis e os motociclistas apresentaram queda de 18% e 8%, respectivamente.

A redução dos óbitos pode estar relacionada às ações de fiscalização após a Lei Seca, que neste ano completou 10 anos de vigência. Além de mudar os hábitos dos brasileiros, a lei trouxe um maior rigor na punição e no bolso de quem a desobedece, com regras mais severas para quem misturar bebida com direção.